ACERVO VIRTUAL HUBERTO ROHDEN & PIETRO UBALDI

Para os interessados em Filosofia, Ciência, Religião, Espiritismo e afins, o Acervo Virtual Huberto Rohden & Pietro Ubaldi é um blog sem fins lucrativos que disponibiliza uma excelente coletânea de livros, filmes, palestras em áudios e vídeos para o enriquecimento intelectual e moral dos aprendizes sinceros. Todos disponíveis para downloads gratuitos. Cursos, por exemplo, dos professores Huberto Rohden e Pietro Ubaldi estão transcritos para uma melhor absorção de suas exposições filosóficas pois, para todo estudante de boa vontade, são fontes vivas para o esclarecimento e aprofundamento integral. Oásis seguro para uma compreensão universal e imparcial! Não deixe de conhecer, ler, escutar, curtir, e compartilhar conosco suas observações. Bom Estudo!


Carregando...

segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

Biografia - Huberto Rohden

Comentário(s)


Prof. Huberto Rohden 


Biografia

Huberto Rohden (São Ludgero, 31 de dezembro de 1893 — São Paulo, 7 de outubro de 1981) foi um filósofo, educador e teólogo catarinense, radicado em São Paulo. Filho de Johannes Rohden e de Anna Locks.

Precursor do Monismo, escreveu mais de 100 obras (ao final da vida, condensadas em 65 livros), onde franqueou leitura ecumênica de temáticas espirituais e abordagem espiritualista de questões pertinentes à Pedagogia, Ciência e Filosofia, enfatizando o autoconhecimento, auto-educação e a auto-realização. Propositor da filosofia univérsica, por meio da qual defendia a harmonia cósmica e a cosmocracia: autogoverno pelas leis éticas universais, conexão do ser humano com a consciência coletiva do universo e florescimento da essência divina do indivíduo, reconhecendo que deve assumir as conseqüências dos atos e buscar a reforma íntima, sem atribuir à autoridade eclesiástica o poder de eliminar os débitos morais do fiel.

Poesia do Prof.Huberto Rohden
Foi colocada na vigência do Projeto de Poesia na Praça
 incluindo poetas do Estado de Sta Catarina. 








Huberto Rohden quando criança [seta vermelha]





BIOGRAFIA CRONOLÓGICA DE HUBERTO ROHDEN
1893 

Às 6 horas do dia 30 de dezembro de 1893, no pequeno povoado chamado Braço do Norte, hoje São Ludgero, Estado de Santa Catarina, Brasil, nasce Huberto Rohden Sobrinho. São seus pais João Rohden Sobrinho e Anna Locks, naturais do mesmo Estado e descendente de imigrantes alemães originários da Westfália. O casal teve 14 filhos, entre homens e muheres. Huberto Rohden é o sétimo filho.

1900

Aos 7 ou 10 anos o pequeno Huberto se torna o mais exímio caçador de pássaros, lagartas e borboletas das matas da sua região. Com os irmãos e irmãs, ajuda nos trabalhos da fazenda de plantação e de gado dos pais. A única diversão e encantamento eram os viveiros de pássaros, lagartas e borboletas. Vida plenamente natural. Crescia saudável, no corpo e no espírito.
É objeto de carinhosa simpatia e interesse do sacerdote alemão Johann Kloecker, coadjutor do vigário local. Recebe as primeiras aulas de catecismo e a proposta se queria estudar num distante seminário. Do padre Kloecker recebe, também, aulas particulares de latim, matemática e francês.

1905

O menino Huberto Rohden parte, com outros pré-seminaristas, para o Colégio São José, em Pareci-Novo, no Estado do Rio Grande do Sul. A viagem dura cerca de 30 dias, em lombo de burro. Vão decorrer vários anos, até poder voltar, a passeio, à casa paterna. Em Pareci-Novo os padres jesuítas preparavam 60 alunos para ingressarem, mais tarde, no Seminário Maior, em São Leopoldo, RS.

1906

Obedecendo à rigorosa disciplina dos padres jesuítas, estuda teologia e filosofia, latim e grego. Estava sendo preparado para ser um competente funcionário eclesiástico, conhecedor do escolaticismo medieval, da teologia dogmática e moral e do Direito Canônico. Era preparado para a ordenação sacerdotal.

1915

Ensaia seu primeiro vôo nupcial literário, escrevendo para a revista estudantil “O Eco”, dos jesuítas de Porto Alegre. Mais tarde, publica versos nas revistas “O Beija Flor” e “Vozes de Petrópolis”, dos franciscanos.


1919

Para comemorar a data da sua ordenação sacerdotal, publica, com o competente imprimátur, seu primeiro livro, intitulado “Tu és o Cristo, Filho do Deus Vivo”. Neste mesmo ano é mandado para Florianópolis, como padre da paróquia local. Conhece o monsenhor Francisco Topp, cura da catedral de Florianópolis, que lhe dispensa grande amizade e amparo espiritual.

1922

Escreve um pequeno volume, intitulao “Mistério do Amor”, que obtém várias edições. Envia exemplar a dom Sebastião Leme, então arcebispo-coadjutor do Rio de Janeiro. Recebe calorosa carta de congratulações.

1923

De coadutor da catedral de Florianópolis é nomeado vigário de Laguna, litoral do Sul do Estado de Santa Catarina. Funda o jornal semanário “O Cruzeiro”, que chega a ter grande repercussão local.

1924

Dos artigos publicados no “O Cruzeiro”, sai o livro “Novo Goffiné Brasileiro”. Em seguida publica outro livro: “Maravilhas do Universo”, com prefácio do cardeal Leme. Traduz e adapta para o português a trilogia do alemão I. Klug, intitulada “Crença e Descrença”. Manda publicar na Casa Herder, de Friburgo, Alemanha, sua tradução “Aos Pés do Mestre” (Zu Fuessen des Meisters), do jesuíta suíço padre Huonder. Ainda traduz e publica “A Abelha Maja (Die Biene Maja und ibre Abenteuer), de Waldemar Bonsels, cujo original, naquela época, já atingira 210 edições.
Sob a direção do jesuíta e guia espiritual padre Arntzen, Rohden realiza seu primeiro Retiro Espiritual de 30 dias e tem intensa experiência mística. Posteriormente, aprofunda estudos nos “Exercícios Espirituais” do fundador da Ordem dos jesuítas, o espanhol Inácio de Loyola, a quem considera o maior yogui cristão do Ocidente.

1925

Em abril deste ano, sob os auspícios do Seminário Provincial de São Leopoldo, embarca no vapor Weser, com destino à Universidade de Innsbruck, Áustria, para realizar cursos de Ciências Naturais, Teologia e Filosofia.

1926

Na Universidade de Innsbruck, onde cursava Filosofia, faz amizade com um insigne cientista jesuíta, o professor Aloísio Gatterer. Nas férias da Páscoa, consegue licença do Superior Geral para acompanhar o professor Gatterer, numa viagem de estudos, a várias cidades da Europa, sobre fenômenos parapsicológicos. Acompanha-os um jesuíta português chamado Raul Machado. Rohden narra, mais tarde, em seu livro autobiográfico “Por Um Ideal”, pormenores de algumas dessas experiências, feitas em Graz e Branau, realizadas, numa casa quase paredes-meias à casa do desastrado Fuehrer “grande Alemanha”.
Terminados os estudos na Universidade de Innsbruck, tem ordem para seguir para o colégio teológico de Valkebrug, na Holanda, aonde chega em outubro, no outono.
Os 6 meses que passa na Holanda são terrivelmente improdutivos.

1927

Em fevereiro deste ano, Rohden dirigi-se ao Superior Geral dos jesuítas, em Roma, e pede para ser transferido para a Universidade de Nápoles. Bate recorde de natação de resistência nas águas do Mediterrâneo. Visita a cidade de Pompéia e passa 3 horas na cratera do Vesúvio. Ainda em Nápoles, escreve o livro “Alma Eucarística”, com prefácio do cardeal dom Sebastião Leme. Mais tarde esta obra é traduzida para outras línguas. Ao regressar ao Brasil, traz na bagagem a primeira parte da tradução do “Novo Testamento”, trabalho que considerava de grande importância cultural.

1928

Huberto Rohden regressa à Pátria, aureolado de vários títulos de doutor. Após sua chegada recebe ordem de embarcar para a paróquia de Santa Cruz, no Rio Grande do Sul, administrada por 5 padres jesuítas alemães. De seus superiores recebe a promessa de assumir a direção da revista estudantil “O Eco”, editada pelos jesuítas de Porto Alegre, ou de ser nomeado lente da cátedra de filosofia ou teologia no Seminário Central de São Leopoldo. Essa promessa nunca foi cumprida.


1931

Dá os primeiros passos para se retirar pacificamente da Ordem do jesuítas. Recebe sugestão do Superior Geral dos jesuítas de Roma para fazer o Terciado, que é uma espécie de segundo Noviciado de 10 meses. Rohden vai para o Colégio São José de Pareci-Novo, para cumprir a ordem e lá, sob a direção do padre Leopoldo Arntzen, faz, pela segunda vez e com o mesmo orientador, 30 dias de retiro espiritual, na mais profunda experiência de silêncio do corpo e da alma. No fim deste retiro espiritual Rohden presta uma espécie de “conta de consciência”, na qual fica explícito que o Cristo de Rohden não é o Cristo dos jesuítas.
Ainda neste ano é convidado pela autoridade diocesana de Santa Maria, Rio Grande do Sul, para ser inspetor de escolas ferroviárias. Passa alguns anos neste importante entroncamento ferroviário gaúcho.
Publica o jornalzinho “Lampejos”, de distribuição gratuita. Este pequeno periódico será mais tarde o começo do importante movimento editorial que Rohden vem a chamar de Cruzada da Boa Imprensa.
È designado para a arquidiocese de Florianópolis e em seguida mandado para o mais solitário rincão da sua arquidiocese, chamado Cocal, lugarejo povoado por italianos e poloneses. Leva na mala a sua tradução incompleta do “Novo Testamento”, feita sobre o texto original do grego, do primeiro século, trabalho iniciado na Europa e cuja tarefa é terminada em Cocal.

1935

Primeiro encontro pessoal de Rohden com o seu grande amigo e protetor, dom Sebastião Leme, cardeal-arcebispo do Rio de Janeiro. Funda, no Rio, sua casa-editora, com o nome da Cruzada da Boa Imprensa. Instalado no alto do bairro de Santa Tereza, tomado de intensa paixão mística, começa a escrever o seu volumoso livro “Jesus Nazareno”. Dá início ao seu grande projeto de viajar por todo o Brasil, proferindo conferências e palestras, a fim de levantar fundos e divulgar a Cruzada da Boa Imprensa. Leva consigo carta de recomendação de Alceu Amoroso Lima (Tristão de Ataíde), então Presidente Nacional da Ação Católica.


1938

Em fins de 1938 será celebrado em Budapest o 36° Congresso Eucarístico Internacional. Rohden organiza um grupo de 120 excursionistas brasileiros. A excursão abrange 7 países da Europa. Depois de Budapest vai a Roma e tem uma entrevista com o papa Pio Xl e com Giovanni Papini, o grande escritor italiano convertido ao catolicismo. Visita, ainda, Viena, Paris, Berlim e outras importantes capitais da Europa.
É publicada no Brasil, com grande expectativa, a segunda edição do seu “Novo Testamento”. São 10.000 exemplares, encadernados. Uma grande tiragem, para a época.

1939

Percorre dezenas de cidades e capitais do Brasil, principalmente no norte e nordeste, proferindo conferências e palestras, no intuito de difundir seus livros. Nas horas de lazer, escreve febrilmente. Realiza aproximadamente 2.000 conferências. É aclamado o maior bandeirante e “herói nacional da imprensa católica”, no Brasil. Em setembro deste ano é publicada sua biografia de “Paulo de Tarso”, obra de intensa paixão, é verdade, mas que vem abrir duras críticas ideológicas de certos setores do clero brasileiro com seu autor.

1940

Em janeiro deste ano vai visitar seu grande amigo e protetor, o cardeal dom Sebastião Leme. Leva os originais do livro “Agostinho”, para cuja elaboração teve de ler as 103 obras, no texto original latino, do grande luminar africano. É aberta violenta campanha contra os livros de autoria de Huberto Rohden.

1942

Após o falecimento do cardeal Leme, em outubro de 1942 (de quem Rohden fora secretário particular, por cinco anos), numa circular datada de 26 de novembro deste ano, dom José Gaspar de Afonseca e Silva, então arcebispo metropolitano de São Paulo, proíbe oficialmente todos os livros de autoria de Rohden, junto ao clero brasileiro. Toda a campnha é travada sob a alegação de os livros do padre Rohden não serem católicos, mas “apenas cristãos”.

1943

Huberto Rohden entrega documento à autoridade eclesiástica em que se declara demitido do clero.
Nesta mesma data publica “Carta Aberta”, aos seus amigos e leitores, dando as razões que o levaram a abandonar sua função de sacerdote no clero romano. 

1944

Com a consciência tranquila e sem rancor para com seus detratores, Rohden se afasta das atividades sacerdotais e editoriais. Compra um pequeno sítio – Cinco Lagos -, a duas horas do Rio de Janeiro, onde começa a cultivar macieiras e criar abelhas. São tempos de reflexão e interiorização espiritual. Agora é um homem normal, com vida normal, na comunidade leiga. Está casado com Anna Maria Gerda Magdalena Rosenthal, natural de Berlim.

1945

No início deste ano recebe bolsa de estudos, oferecida pela Faculdade da Universidade de Princepton, Nova Jérsei, EUA, onde permanece 14 meses. Nesse tempo entra em contato com o cientista alemão Albert Einstein, que era diretor do Instituto para Estudos Avançados, anexo à Universidade. Rohden, que falava muito bem a língua alemã, manteve diálogos filosóficos com Einstein.
Ainda nesse tempo, é convidado para trabalhar em Washington, no Departament of Inter-American Affairs, como tradutor. Depois de alguns meses nesta atividade, volta a Princepton. Escreve o livro “Pascal”, uma biografia de idéias do genial cientista jesuíta.
Na sua estada em Washington foi apresentado ao Dr. Paul F. Douglass, Reitor da American University. Dia 25 de setembro de 1946, às 8h30, toma posse das funções de professor. Começa com 50 alunos e termina com 400. O contrato é apenas para um ano. No final, por solicitação do Reitor, acaba ficando mais dois anos, e depois ainda mais dois.

1951

Depois de viver 6 anos nos Estados Unidos da América do Norte, onde, além de desempanhar as funções de professor catedrático na American University, profere dezenas de palestras e conferências em igrejas, centros e sociedades religiosas, ACMs, Rotary Clubs, lojas maçônicas, nos templos dos Unitários, e prncipalmente na Self-Realization Fellow-ship de Washington, Rohden volta para o Brasil, com a mulher e o filho Ren^-Paulo. Passa a residir na capital de São Paulo.
No mesmo ano recebe proposta para lecionar filosofia na Universidade Mackenzie, de São Paulo, cargo do qual não toma posse.

1952

Pacientemente começa a reorganizar sua vida no Brasil. A pedido de amigos e leitores, começa a dar aulas informais de filosofia livre, em várias residências da capital paulista e na sede central da ACM de São Paulo. Funda e dá personalidade jurídica à Instituição Cultural e Beneficente Alvorada, entidade de caráter não lucrativo, onde dá início a cursos permanentes de Filosofia Univérsica e Filosofia Cósmica do Evangelho. Neste mesmo ano, com a colaboração de alunos e amigos começa a formação do ashram Cosmorama, em Jundiaí, a 70 quilômetros distante da capital de São Paulo; destinado a servir como local para os Retiros Espirituais. Escreve vários livros, em sua maioria editados pela livraria Freitas Bastos, do Rio de Janeiro. A mulher trabalha como tradutora, para várias línguas, e como secretária do conde Francisco Matarazzo.

1953

Renê-Paulo, o único filho, é acometido de séria doença. A mulher e o filho voltam aos Estados Unidos da América do Norte, onde os recursos médicos são mais avançados. Rohden continua sua grande campanha de difusão da Filosofia Univérsica e da Mensagem do Cristo.

1956

Em março de 1956, na Associação Atlética do Banco do Brasil, sob a coordenação da aluna Amélia S. Cardoso, Rohden inicia, no Rio de Janeiro, os seus cursos de Filosofia Univérsica e Filosofia Cósmica do Evangelho. Posteriormente, com o apoio do comandante Gama, os cursos são transferidos para os salões do Clube Naval. Sob a coordenação do professor Gérson Pompeu Pinheiro e Dr. Jamil Ferez, respectivamente, Presidente e Vice-Presidente da Alvorada do Rio de Janeiro, os cursos são realizados até 1976.
Recebeu grande apoio do general Moacir Araújo Lopes, Primeiro Presidente da Comissão Nacional e Civismo, no sentido de adoção de livros de Rohden, na Educação Moral e Cívica, com base filosófica.
Coordenado pelo Cel. Meireles, na AMAN-Academia Militar de Agulhas Negras, lecionou, por 3 anos, para oficiais superiores, cursos de Filosofia.

1957

Em julho deste ano, coordenado pelo seu antigo amigo, aluno e editor, T. F. Lorgus, o professor Huberto Rohden realiza, no Salão de Atos na Universidade do Rio Grande do Sul (Porto Alegre), um ciclo de ciclo de 5 conferências para mais de 1.600 pessoas.
Começa a dar aulas na Rua Conselheiro Crispiniano, São Paulo, num salão cedido pela aluna e colaboradora, senhora Elvira Fongaro Murano.

1962

Entre outros, publica, pela Livraria Freitas Bastos, em 2 volumes, sua autobiografia “Por Um Ideal”, onde narra toda a sua luta pela difusão da sua mensagem de autoconhecimento e auto-realização.

1963

Sob a organização e coordenação do jornalista e escritor Irineu Monteiro, o professor Rohden ministra cursos no auditório do jornal Shoping News, de São Paulo. Estes cursos alcançaram grande repercussão no movimento educacional pelo professor Rohden e lhe dão as bases para seu trabalho posterior em São Paulo.

1968

Acompanhado de um aluno e amigo, um bem-sucedido empresário paulista – Luciano Zulian Teixeira – empreendeu viagem de estudos e experiência espiritual pela Palestina, Egito, Índia e Nepal. Realiza várias conferências com grupos de yoguis, na Índia e Nepal.

1969

Em outubro deste ano faz os primeiros contatos com o seu futuro editor (Martin Claret), um antigo aluno do Rio Grande do Sul, entusiasta da sua obra e que viera a São Paulo para estudar e trabalhar para e com Huberto Rohden.

1971

Publica seu livro de viagens “Minhas Vivências na Palestina, Egito e Índia, através da Editora Alvorada, empresa criada por seu novo editor, para publicar, com exclusividade, todos os livros de autoria de Huberto Rohden. O livro é lançado, com noite de autógrafos, no Salão de Festas da ACM central, de São Paulo.

1974

Continua a escrever e publicar livros. Sistematicamente promove e orienta Retiros Espirituais a alunos e leitores de todo o Brasil. Atendendo a convite oficial da EMFA – Estado Maior das Forças Armadas -, profere um ciclo de conferências em Brasília, sobre Educação do Homem Integral.
Neste mesmo ano sob o patrocínio do aluno e amigo Dr. Rômulo Gonçalves, inicia seus cursos em Goiânia, GO.

1975

Formaliza, juridicamente, desquite amigável com a mulher, Anna Maria Gerda Magdalena Rosenthal, residente nos Estados Unidos da América do Norte, aonde fora para assistir ao filho do casal, Renê-Paulo, vítima de séria doença cerebral. O filho morre em 1977.

1976

Através de documentação pública, faz doação de todos os seus bens imóveis à Alvorada – Instituição Cultural e Beneficente, fundada por ele em 1952.
A convite de um grupo de estudiosos de filosofia, vai a Portugal, onde pronuncia conferências e palestras sobre Filosofia Univérsica, autoconhecimento e auto-realização.


1978

Na 5º Bienal Internacional do Livro, proferindo conferência de encerramento, relança seu livro “Einstein – O Enigma do Universo”.
A convite do senador Arnon de Mello, com seu editor, vai a Maceió, Estado de Alagoas, proferir conferências e inaugurar a TV Gazeta, das Organizações Arnon de Mello. É condecorado em Palácio pelo governador Edivaldo Suruagi.

1980

Participa da 6ª Bienal Internacional do Livro, onde, já com a saúde abalada, realiza conferência e autografa seu livro “O Homem”.

1981

No dia 9 de fevereiro deste ano, já sob cuidados médicos, concede sua última entrevista pública à revista Visão, sob o título de “A Educação da Consciência”, que causa grande repercussão no setor educacional brasileiro.
Com o corpo físico biologicamente em declínio, é internado na Clínica Naturista Tobias, de São Paulo, onde é carinhosamente assitido por sua secretária, seu editor, alunos e amigos. A zero hora do dia 7 de outubro deste ano, o professor Huberto Rohden, aos 87 anos de idade, em paz consigo mesmo e com o mundo, deixa a matéria física. Suas últmas palavras, em estado consciente, foram: “Eu vim para servir a humanidade”.
O jornal “O Estado de São Paulo”, do dia 8, publica nota, noticiando a morte do filósofo. Às 18 horas deste mesmo dia, os restos mortais do professor Huberto Rohden são colocados no jazigo nº 0060, quadra 06, Zona 4-A, do Cemitério Getsêmani, da Mitra Arquidiocesana de São Paulo.





Busto de Huberto Rohden, contemplando 
aos pés da sepultura familiar a lápide de seus 
progenitores, no cemitério de São Ludgero.


Busto de Huberto Rohden, erigido após seu
 transladado para o cemitério de São Ludgero

Afixado ao busto o reconhecimento: Huberto Rohden foi educador, teólogo,filósofo humanista e autor de 65 livros. Nascido em São Ludgero - 31.12.1893. Faleceu em São Paulo - 07.10.1981. Repatriamento dos restos mortais Huberto Rohden em 2007


Em memória



















































Copyright © Acervo Virtual Huberto Rohden & Pietro Ubaldi ®
Design by Eronildo Aguiar | Tecnologia do Blogger
    Twitter Facebook VK Google + fotos google YouTube flickr rss