SOBRE O ACERVO VIRTUAL HUBERTO ROHDEN & PIETRO UBALDI

Para os interessados em Filosofia, Ciência, Religião, Espiritismo e afins, o Acervo Virtual Huberto Rohden & Pietro Ubaldi é um blog sem fins lucrativos que disponibiliza uma excelente coletânea de livros, filmes, palestras em áudios e vídeos para o enriquecimento intelectual e moral dos aprendizes sinceros. Todos disponíveis para downloads gratuitos. Cursos, por exemplo, dos professores Huberto Rohden e Pietro Ubaldi estão transcritos para uma melhor absorção de suas exposições filosóficas pois, para todo estudante de boa vontade, são fontes vivas para o esclarecimento e aprofundamento integral. Oásis seguro para uma compreensão universal e imparcial! Não deixe de conhecer, ler, escutar, curtir, e compartilhar conosco suas observações. Bom estudo!

sexta-feira, 7 de fevereiro de 2014

UM CAMINHO PARA O BRASIL

Comentário(s)

Por Huberto Rohden

Carta de Huberto Rohden publicada no livro:

EINSTEIN – Reflexões Filosóficas, MONTEIRO, Irineu, Martin Claret Editora, 4ª edição.
Digitado por Lupércio Stopato da Fonseca


Washington, 18/12/50.

“Prezado amigo Sr. Irineu Monteiro”,
São Paulo – Brasil.

Vai esta com os meus sinceros votos de felicidade para o Natal e Ano Novo e para sempre. Há tempo que estou com sua carta de 4.11, que muito lhe agradeço. Tive de esperar o início das férias de Natal para lhe dar uma resposta mais explícita. Você quase o único amigo, aí no Brasil, que me escreve cartas de caráter filosófico-metafísico-espiritual. Mas, como já lhe disse em carta anterior, é impossível, numa carta, dar-lhe qualquer explicação adequada sobre metafísica. Metafísica, como você sabe – tanto assim que revela sempre profunda noção fundamental dos termos – é o que fica para além da física, quer dizer desse aspecto superficial da realidade cósmica que a pobreza dos nossos sentidos atinge. Há quem considere essa superfície – os fenômenos – como sendo a própria realidade, além da qual nada exista de real. Essa filosofia infantil – se é que tal nome merece – não pode ser defendida por nenhum espírito que tenha atingido maturidade.

No próprio terreno da física e química sabemos que há infinitas realidades não atingíveis pelos sentidos, e tanto menos atingíveis quanto mais reais. Ultraluz e ultra-sons são coisas tremendamente reais, mas absolutamente imperceptíveis pelos sentidos humanos desajudados de instrumentos; e para além da extrema fronteira atingida pelos nossos instrumentos se desdobra o universo das realidades superiores, que para os nossos sentidos e instrumentos são “inexistentes”, o puro nada. Já dizia o grande Estagirita que nossos sentidos, e mesmo o nosso intelecto (não a razão, o Logos, o Nous) são como os olhos das aves noturnas, que vêem perfeitamente na escuridão ou na luz crepuscular, mas não enxergam coisa alguma em plena luz – a não percepção por causa do excesso de realidade! A ciência moderna, - Einstein, Oppenheimer, Bohr, para nomear apenas uns que mais conhecemos através das pesquisas atômicas – está em vias de dar o golpe de misericórdia ao empirismo materialista; o materialismo do século 19 morreu por falta de matéria – que ironia! – pois a ciência do século vinte reduziu a tal matéria a energia, vg. E = m.c². Energia é massa multiplicada pelo quadrado da velocidade da luz, na fórmula einsteiniana, que serviu de base à primeira bomba atômica.

Em face disso, achou a filosofia idealista ou espiritualista que, para descobrir a verdade ou realidade, teria de se afastar da matéria, do mundo fenomenal, indo em sentido diametralmente oposto. O próprio Platão sucumbiu, parcialmente, a essa fatalidade idealista, estabelecendo completa separação entre o EIDOS (Idéia) e o EIDOLO (Ídolo, imagem da idéia). Para ele, o espírito é a única realidade, ao passo que a matéria é uma quase-realidade, uma miragem, algo que parece ser real, mas é irreal, algo que possui apenas uma realidade superficial, emprestada, mas não uma realidade real, interna, sólida.

Tanto empirismo (materialismo) como idealismo (espiritualismo) são sistemas filosóficos extremos – extrema esquerda, extrema direita. Já o grande Aristóteles, o mais ilustre discípulo de Platão, reconheceu a grande verdade que nem materialismo nem espiritualismo podem ser adotados como filosofia integral, completa e definitiva. Filosofia é necessariamente uma síntese de duas antíteses, é a harmonia que resulta de duas forças antagônicas, centrífuga e centrípeta, se quiser. Não há realidade separada dos fenômenos, embora a realidade não seja idêntica ao fenômeno. A realidade é a essência de qualquer fenômeno. Este é o efeito, aquela é a causa, não uma causa transcendente; são uma e a mesma coisa olhada ora deste ora daquele lado, ora do lado ativo (realidade), ora do lado passivo (fenômeno). Spinoza (realmente Bento de Espinosa, filho de judeus portugueses que, por causa da perseguição católica, emigraram para Amsterdã, onde Bento – Benedicto, ou em hebreu Baruch – nasceu, viveu, sofreu, foi excomungado pela sinagoga, e morreu na flor da vida), era grande demais para ser compreendido pelos pigmeus de seu tempo – e do nosso tempo – mas Aristóteles nunca teve maior e mais inteligente discípulo que esse judeu “pai do panteísmo moderno”, o que é absolutamente falso. Para ser panteísta deve a gente ser extremamente ingênua. Nenhum gigante intelectual chegaria ao absurdo de identificar Deus com o mundo, a causa com o efeito, a realidade com os fenômenos, o infinito com o finito, o Todo com a parte. Spinoza protestou contra a calúnia da sua própria sinagoga, mostrando que Deus está em cada fenômeno, a essência de cada um deles, mas não idêntico com os fenômenos. Mas a sinagoga dualista e transcendentalista não foi capaz de compreender tão alta sabedoria.

Mais tarde, ela convidou Spinoza para voltar, mesmo sem nada revogar, contanto que não continuasse a espalhar tão “espantosas heresias”; ofereceu-lhe uma pensão vitalícia – Spinoza era muito pobre – só para ficar calado; o que o grande pensador e exímio caráter recusou, preferindo continuar a ganhar o seu pão polindo lentes e proclamar a verdade, a viver em fartura e calar a verdade.

A filosofia totalista de Aristóteles, Spinoza e outros corifeus do pensamento é a única que vai prevalecer no futuro, entre homens realmente maduros. Expressa em termos religiosos, diríamos: Deus é a essência (ou alma, como Spinoza diz) do mundo. Ele é imanente em qualquer ser. Cada ser, desde o menor até o maior, é uma manifestação de Deus. Os seres não são governados por leis – mas pelo Deus imanente neles. Deus está no mundo, e o mundo está em Deus, assim como a causa está no efeito, e o efeito está na causa.

A conseqüência é que, para achar a Deus, não tenho de fugir do mundo, como os idealistas, espiritualistas, ascetas e budistas pensam; mas tenho de investigar mais profundamente o mundo adentro, até atingir a essência ou causa suprema desse efeito. Esse “cavar para dentro”, naturalmente exige no homem a ampliação da sua faculdade ultra-sensitiva, metafísica – a razão, a alma, o espírito (Nous, Logos, na Bíblia, pneuma).

De maneira que o que nós entendemos por METAFÍSICA é ao mesmo tempo transcendente e imanente; ultrapassa a capacidade dos sentidos e do intelecto, e isto é o “trans”; mas não está fora, senão dentro, dos fenômenos sensitivos, e isto é “in”.

A humanidade amanhã – isto é, a elite superior – irá necessariamente via síntese, rumo Totalismo, que é o Cristianismo de Cristo, ainda que não de muitos cristãos. E é dever nosso – nós, de você também, a quem Deus outorgou maiores luzes de compreensão, é dever nosso preparar esse caminho para a humanidade de amanhã. Cada um deve contribuir a ser pedra para esse edifício. Para este fim, devemos também fundar, em um ou mais dos grandes centros, focos de irradiação dessas idéias e mostrar o que é de fato o Cristianismo.

O HOMEM-TOTAL da ética só pode nascer do HOMEM-TOTAL da metafísica. “Agere sequitur esse”, cada um faz o que é, externa em atos os seu ser. Mas o ser do homem é a apreensão da REALIDADE. O Homem que nunca chegou a apreender a REALIDADE (DEUS) não pode ser REALISTA, no verdadeiro sentido da palavra, isto é, TOTALISTA (é pena que não se possa dizer totalitária ou integralista, uma vez que estas palavras foram envenenadas com outro sentido).

O Brasil é um país sumamente acessível a essas idéias. O nosso povo, ao menos as classes educadas, tem mais propensão para amplas sínteses metafísicas do que os anglos. Idem, os latinos, embora estes últimos tenham sido grandemente cerceados nos seus vôos pelo peso morto dos dogmatismos e ritualismos eclesiásticos.

Vamos preparar o caminho para um Brasil mais sólido, puro, amplo – mais brasileiro! Mas sem grande compreensão não há grandes fenômenos na humanidade.
Demos ao Brasil grandes idéias!
Antes de tudo, tenhamos nós mesmos grandes idéias!

Abraço do amigo,

HUBERTO ROHDEN.