SOBRE O ACERVO VIRTUAL HUBERTO ROHDEN & PIETRO UBALDI

Para os interessados em Filosofia, Ciência, Religião, Espiritismo e afins, o Acervo Virtual Huberto Rohden & Pietro Ubaldi é um blog sem fins lucrativos que disponibiliza uma excelente coletânea de livros, filmes, palestras em áudios e vídeos para o enriquecimento intelectual e moral dos aprendizes sinceros. Todos disponíveis para downloads gratuitos. Cursos, por exemplo, dos professores Huberto Rohden e Pietro Ubaldi estão transcritos para uma melhor absorção de suas exposições filosóficas pois, para todo estudante de boa vontade, são fontes vivas para o esclarecimento e aprofundamento integral. Oásis seguro para uma compreensão universal e imparcial! Não deixe de conhecer, ler, escutar, curtir, e compartilhar conosco suas observações. Bom estudo!

quinta-feira, 30 de junho de 2016

“Atos não têm valor nenhum. Atitude é que tem valor.”

Comentário(s)

Mergulhar no pensamento de Rohden para tentar explicá-lo, é um prazer. Evidente que preferia que fosse ao vivo, em vez de ser pela escrita, pois na fala há possibilidades de detalhamentos e uma dinâmica maior com o interlocutor.

Na aula nº 12: o professor Huberto Rohden diz:

"A ideia é: atos não têm valor nenhum. Atitude é que tem valor..." (Pág. 1, quarto parágrafo da trancrição.)

"...Atitude é ser. Atos são fazer..." (Pág.: 1, último parágrafo transcrito.)

Para explicar a transcrição acima, é preciso considerar que para o professor Rohden, o mais importante é o Eu. O Ego é como um armário de roupas velhas, ou máscaras, de uma ou mais personalidades, que vestimos e nos despimos a todo instante. Numa linguagem paulina, o ego seria o homem velho em nós, que é preciso ser transformado. 

Por isso mesmo, Rohden faz a distinção entre atitudes (que são do Eu) e atos (que são do Ego). Atitude é da essência do ser. Ato é da aparência do agir. Ato é uma ação aparente de uma atitude interna que não aparece. Todo ato é determinado por uma atitude interna. Que pode ser positiva ou negativa.

Vamos imaginar isso tomando como exemplo uma ação comum do nosso dia-a-dia. Quando trabalhamos com crianças, muitas vezes nossos atos (aparentes) não são correspondentes com a nossa atitude interna. Posso me fingir paciente com as crianças em ato (de aparências), mas estar numa atitude interna  de impaciência, não correspondente ao ato que está sendo comedido. A atitude é determinante nos atos. Nesses casos, eu pergunto, o que é que tem valor, o ato ou a atitude?. O que é melhor fazer, continuar dando importância as aparências, e por isso,  fingir paciência com as crianças?, ou meditar, avaliar, estudar, sobre o que realmente tem valor, ou seja, essa minha atitude negativa determinante que detecto, e que precisa ser transformada? 

Como disse Jesus: "ninguém põe um remendo de pano novo em roupa velha, porque o remendo repuxa a roupa e o rasgão fica pior", esse ensino pode ser entendido assim: não devemos adotar uma roupagem de atos novos, numa atitude velha.

Nossos atos têm que estar em correspondência com a atitudes interna. Se teimarmos em "colocar remendos novos" (
atos)  em "panos velhos" ( atitudes velhas não correspondentes), a rotura, como disse Jesus, vai aumentar.  

Portanto, se meu ato é negativo, tenho que detectar e trabalhar a atitude que está levando a ação negativa. Transformá-la, e não ficar fingindo paciência. O ato é uma consequência de uma atitude, e não o contrário.  "A ideia é: atos não têm valor nenhum. Atitude é que tem valor...", pois esta é que determina aqueles.

Eronildo