ACERVO VIRTUAL HUBERTO ROHDEN & PIETRO UBALDI

Para os interessados em Filosofia, Ciência, Religião, Espiritismo e afins, o Acervo Virtual Huberto Rohden & Pietro Ubaldi é um blog sem fins lucrativos que disponibiliza uma excelente coletânea de livros, filmes, palestras em áudios e vídeos para o enriquecimento intelectual e moral dos aprendizes sinceros. Todos disponíveis para downloads gratuitos. Cursos, por exemplo, dos professores Huberto Rohden e Pietro Ubaldi estão transcritos para uma melhor absorção de suas exposições filosóficas pois, para todo estudante de boa vontade, são fontes vivas para o esclarecimento e aprofundamento integral. Oásis seguro para uma compreensão universal e imparcial! Não deixe de conhecer, ler, escutar, curtir, e compartilhar conosco suas observações. Bom Estudo!


Carregando...

terça-feira, 14 de março de 2017

O Mistério do Ego-Pensante e do Cosmo-Pensado

Comentário(s)

Muitos dos que falam e escrevem sobre Einstein e a sua Teoria da Relatividade pensam que o grande matemático tenha atingido esse resultado pensando intensamente, espremendo os miolos a tal ponto até que, finalmente, atingisse essa certeza.

E sobre essa falsa premissa tentam retraçar o caminho por onde Einstein teria andado. 

Nada disto, porém, aconteceu. Inúmeras passagens da sua vida desmentem esse processo. 

Há um processo que eu, na minha filosofia cósmica, denominei ego-pensante, e outro processo que designei pelo termo cosmo-pensado.

No primeiro caso, confia o homem exclusivamente no poder do seu próprio pensamento, da sua egoidade humana, da sua atividade cerebral. O resultado desse processo é diretamente proporcional ao esforço despendido. Mas, como o ego é uma "peça secundária do cosmos", como diz Arnold Toynbec, e representa uma parcela infinitesimal do imenso cosmos, é natural que este resultado da ego-pensação não possa ser grande, que deva ser como um átomo em comparação com o Universo.

Este processo ego-pensante é o único que o grosso da humanidade conhece. Há, certamente, variantes nesse processo; há homens dotados de um poder ego-pensante de 1%, de 10%, de 50% ou mais; mas, em qualquer hipótese, a proporção é infinitamente pequena em comparação com o imenso poder cósmico. Um pirilampo pode ter lanternas fosforescentes maiores ou menores - mas, que é isto em face da imensa claridade do sol em pleno meio-dia?

Há, todavia, uns pouquíssimos homens cosmo-pensados. Não são eles que com o poder do seu ego pessoal pensam, mas são pensados pelo poder do cosmos, pela alma do Universo, suposto que eles permitam essa cosmo-pensação. 

Este processo consiste numa espécie de alargamento dos canais humanos para que as águas vivas da Fonte Cósmica possam fluir livremente por eles. 

Neste caso é o Uno do Universo, a alma invisível do Todo, que entra em ação, ao passo que os canais do Verso funcionam apenas como simples recipientes, veículos e transmissores.

Quando o homem deixa de ser ego-pensante e passa a ser cosmo-pensado (também cosmo-vivido e cosmo-agido), sabe dos mistérios do cosmos mais do que através de 50 anos de ego-pensação. 

E, quando depois os ego-pensantes tentam explicar como o cosmo pensado chegou a certos resultados, para eles incompreensíveis, perdem o seu tempo em hipóteses e conjecturas inúteis.

Entretanto, por via de regra, o próprio cosmo-pensado gastou longos anos e árduos esforços na penosa peregrinação da sua personalidade ego-pensante.

Einstei afirma de si mesmo: "EU PENSO 99 VEZES E NADA DESCUBRO; DEIXO DE PENSAR - E EIS QUE A VERDADE ME É REVELADA".

Esses esforços de ego-pensação foram necessários como subestrutura preliminar, mas não foram suficientes para lhe revelar a grande verdade.

Um engenheiro constrói uma vasta rede de encanamento para prover de água uma cidade; mas, se não tiver uma nascente de água permanente - que não faz parte do seu encanamento - nunca terá água na sua rede. A nascente é causa, os encanamentos são apenas condições.

Tudo prova que Einstein, cedo ou tarde, atingiu alto grau de cosmo-pensação. Em Princeton, onde convivi com ele, vivia ele em quase perpétuo silêncio. Na Politécnica de Zurique, poucos dias antes de lançar ao papel a fórmula da Relatividade E=m.c², desapareceu da Universidade e da família por diversos dias, sem revelar o seu paradeiro, porque tinha imperiosa necessidade de solidão e silêncio para dar à luz a sua prole mental.

Na Universidade de Berlim, como já dissemos, encarcerava-se não raro, por dias inteiros no seu quartinho paupérrimo nas águas-furtadas, trancava a porta, não aceitava visitas e dava ordem à esposa para lhe colocar uma bandeja com sanduíches e outros alimentos diante da porta do quarto. No seu quarto andava de pés descalços, em mangas de camisa, abismado horas e horas em total imobilidade, tal qual um yogui hindu em estado de samadhi. Nestas horas de intensa cosmo-pensação, ou cosmo-atuação, estava Einstein totalmente alheio a todo o mundo externo e intensamente identificado somente com o Uno interno.

Quando os seus colegas de estudo lhe perguntavam como iria provar a sua teoria, respondeu que a prova experimental dependia duma técnica muito aperfeiçoada, ainda não existente, mas que a certeza não dependia de provas, porque o Universo era um sistema lógico de absoluta precisão. Estas palavras indicavam que Einstein havia intuído o invisível do Uno do Universo, embora não pudesse descrever o Verso da técnica externa.

Uma comparação talvez possa esclarecer esse processo: suponhamos que um genial clarividente enxergue o interior de um coquinho vivo. Não vê raízes, tronco, folhas - nada, neste minúsculo germe branco. Mas suponhamos que esse vidente seja dotado de uma perfeita visão de todas as potencialidades do coquinho, que daí a anos, se manifestará num possante coqueiro com folhas, flores e frutos plenamente atualizados. Se esse vidente pudesse assim antecipar por 10 a 20 anos a sucessividade de tempo e espaço, na simultaneidade do eterno e do infinito - que fenômeno espantoso seria esse! Esse homem veria na ilusão da sucessividade a verdade da simultaneidade. 

É mais ou menos assim que devemos considerar a vidência da unidade do Universo simultâneo que se manifesta sempre de novo em diversidade na sua sucessividade. 

Sem admitirmos uma visão unitária do Cosmos é inútil querermos compreender a visão diversitária com que quase todos tentam explicar a Teoria da Relatividade

Sem cosmo-vidência a ego-vidência é um eterno enigma. 

Felizmente, essa cosmo-vidência, se está tornando cada vez menos misteriosa e cada vez mais manifesta. Nos últimos tempos a parapsicologia tentou reduzir a termos de ciência racional o que outrora era rejeitado como simples superstição ou crendice popular. 

Na nossa filosifa cósmica ou univérsica, nascida no coração do Brasil, há diversos decênios, está consolidando as bases cosmo-racionais desta visão, partindo da unidade do centro, a fim de explicar as diversidades das periferias.

Huberto Rohden, do Livro: Einstein, o Enigma do Universo - Págs: 37 a 40


Copyright © Acervo Virtual Huberto Rohden & Pietro Ubaldi ®
Design by Eronildo Aguiar | Tecnologia do Blogger
    Twitter Facebook VK Google + fotos google YouTube flickr rss